Igreja em Serra

Mensagens sobre oração

Oração: um mistério

Compartilhar

 

 A oração é um mistério; e depois de analisarmos algumas questões sobre o assunto, creio que apreciaremos ainda mais o caráter misterioso que envolve a oração, pois é assunto de difícil compreensão. Com isto não estamos sugerindo que o mistério da oração seja incompreensível ou que os variados problemas referentes à oração sejam inexplicáveis. Simplesmente indica que poucas pessoas realmente conhecem a fundo essas questões. Por causa disto, poucos são verdadeiramente capazes de realizar muito para Deus no ministério da oração. O poder da oração reside não no quanto, oramos, mas no quanto nossas orações estão de acordo com o princípio da oração. Somente as orações que possuem esse princípio têm valor verdadeiro.

            A primeira pergunta que se deve fazer é: Por que orar? Para que serve a oração? Não é Deus onisciente e onipotente? Por que espera ele que oremos para começar a operar? Uma vez que ele sabe, por que devemos contar-lhe tudo (Filipenses 4:6)? Sendo Todo-poderoso, por que Deus não opera diretamente? Por que precisa ele de nossas orações? Por que somente os que batem entram (Mt 7:7)? Por que diz Deus: “Nada tendes, porque não pedis” (Tg 4:2)?
 
Depois de fazer as perguntas acima devemos continuar a inquirir, como segue: E a oração contrária à vontade de Deus? Que relação há entre oração e justiça?
            Sabemos que Deus jamais faz algo contra a sua própria vontade, e se abrir portas é a vontade dEle, por que espera até que batamos para abrir? Por que Ele simplesmente não abre segundo Sua própria vontade sem requerer que batamos? Sendo onisciente, Deus sabe que precisamos de portas abertas; por que, então, espera que batamos para abrir? Se a porta deve-se abrir, e se abrir portas está de acordo com a vontade de Deus, e se, além disso, Ele sabe que precisamos que ela seja aberta, por que espera que batamos? Por que Ele simplesmente não abre a porta? Que vantagem tem Deus em que batamos?
 
            Ainda devemos fazer as seguintes perguntas: Uma vez que a vontade de Deus é abrir a porta e o abrir a porta está de acordo com a justiça, abrirá Deus a porta se não batermos? Ou preferiria Ele atrasar a realização de Sua vontade e justiça a fim de esperar por nossas orações? Permitirá Ele que sua vontade de abrir a porta seja impedida porque deixamos de bater? Se Ele realmente é capaz, então por que o Seu abrir a porta (a vontade de Deus) é governado por nosso bater (oração do homem)?
 
            Ao fazer estas perguntas compreendemos que a oração é um grande mistério. Pois aqui vemos o princípio do trabalho de Deus: seu povo deve orar antes que Deus se levante e opere – Sua vontade somente é realizada mediante as orações dos que lhe pertencem; as orações dos crentes devem realizar Sua vontade; Deus não cumprirá Sua vontade sozinho – Ele operará somente depois que Seu povo mostrar simpatia por meio das orações.
 
            Tal sendo o caso podemos dizer, portanto, que a oração nada mais é que um ato do crente operando juntamente com Deus. A oração é a união do pensamento do crente com a vontade de Deus. A oração que o crente profere na terra nada mais é que o expressar da vontade de Deus no céu. A oração não é a expressão de nosso desejo de que Deus ceda à nossa petição e que preencha nosso desejo egoísta. Não é forçar o Senhor a mudar Sua vontade e realizar o que não deseja. Não, oração é simplesmente o crente proferindo a vontade de Deus. Perante Deus, o crente pede, em oração, que se faça a vontade do Senhor.
 
            A oração não altera o que Deus determinou. Nunca muda nada; meramente realiza o que já foi pré-ordenado. A falta de oração, entretanto efetua mudanças. Deus deixará que muitas de Suas resoluções fiquem suspensas devido à falta de cooperação dedicada de seu povo.
 
Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra, terá sido ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra, terá sido desligado no céu. Em verdade também vos digo que, se dois entre vós, sobre a terra, concordarem a respeito de qualquer coisa que porventura pedirem, ser-lhes-á concedida por meu Pai que está nos céus (Mt 18:18-19).
 
Extraído do livro: Oremos.